Lembro que quando cheguei ao Japão ficava intrigado em saber quanto ganhavam os nativos da empresa onde trabalhava. No departamento vizinho havia um seção cheia de designers, sempre bem vestidos. Iam embora no horário com o carro zero comprado há menos de dois anos. Todos eles sem exceção. “Muito mais do que eu, mas quanto?”. Acredito que boa parte dos brasileiros, especialmente aqueles que não falam a língua, compartilham essa questão.

Com o passar do tempo aprendi que a realidade é outra. Bem outra. Um designer não só não ganhava muito, apesar do glamour da profissão, mas como ganhava menos do que eu.

Como o salário de seu emprego no Japão se compara com outras profissões?
A revista Diamond traz a lista de salário das profissões mais populares no Japão.

Muito provavelmente você verá que o seu salário não é muito diferente da do japonês comum. O que explica em parte essa sensação é a diferença brutal que existe no Brasil, onde o engenheiro ganha muito mais do que o operário e que o dono da empresa ganha muito mais que o engenheiro. Brasileiros vêm ao Japão com o feeling de que essa é a ordem natural do universo.

Lembro vivamente, quando moleque, ao ver o Antônio Ermírio de Moraes na TV dizendo que no Japão não havia a aberração de distribuição de renda que existia (e continua) no Brasil. Ele citava que no Japão a diferença de salário entre o dono da empresa e o operário era de no máximo 20 vezes enquanto que no Brasil era comum ser de 40 ou mais. O que é verdade, como mostra a tabela abaixo (assuma que o salário médio de um presidente de empresa equivale a segunda posição da tabela). Se bem que duvido que o Ermírio pratique o que fala.

Esse esquema é o que faz com que não haja classe operária no Japão. Ha operários sim, há sindicatos, mas não há a cultura operária que vemos no Brasil e outros países. Os restaurantes e lojas frequentadas são os mesmos da classe média. Difícil dizer se a pessoa é operária pela roupa, jeito de falar e jeito de conversar. O Japão é, digamos, uma gigantesca classe média paulistana.

A propósito, o salário médio anual no Japão gira em torno de 4,3 milhões de ienes, o que dá uma média mensal de 350.000 ienes por mês. O típico dekassegui não está muito longe disso. A propósito, as 50 profissões da tabela abaixo estão acima da média nacional.

Pra que vive em Tokyo (o meu caso) a média é surpreendemente baixa mas se torna óbvia se você sair a viagem pro interior e observar como as pessoas trabalham e vivem.

Para saber onde você se posiciona na tabela, calcule a sua renda anual (unidade usada no Japão e Estados Unidos, ao contrário do Brasil, mensal), que é o salário mensal multiplicado por 12 mais bonus e horas extras recebidos durante o ano. Deve ser o valor bruto, sem deduções.

Um comentário frequente na comunidade é que há 10 anos atrás se ganhava mais do que hoje. O que é verdade, mas será que isso se restringe aos dekasseguis? Será que o japonês que trabalha na sala ao lado não sofre de queda de renda?

A tabela responde esta questão. Veja a coluna Variação (comparação com a média de 5 anos atrás). Em 70% das profissões a média declinou. Esse problema, portanto, não se restringe ao brasileiro; é problema da nação como um todo.

As 50 profissões mais bem pagas no Japão em 2007 (salário médio em milhões de ienes)

No Profissão Renda Variação(%)

1

Jogador de baseball

35,53

2,8

2

Jogador de futebol

26,67

22,9

3

Parlamentar federal

21,93

3,8

4

Corredor de barco motorizado

18,27

-16,4

5

Parlamentar estadual

14,68

-2,8

6

Jogador de golfe

13,41

3,5

7

Piloto de avião

13,08

4,5

8

Mestre de universidade

11,22

-6,0

9

Ciclista profissional

11,12

-7,2

10

Médico assalariado

11,04

-7,2

11

Jornalista

8,95

14,7

12

Advogado

8,31

-

14

Dentista

7,80

-

15

Parlamentar municipal

7,77

-5,2

16

Agente de polícia

7,69

-9,7

17

Professor de ensino médio público

7,68

-3,3

18

University lecturer (mestre iniciante)

7,67

-

19

Professor de ensino fundamental público

7,37

-4,6

20

Professor de ensino médio particular

7,36

-6,7

21

Funcionário público (estadual/municipal)

7,00

-3,5

22

Bombeiro

6,90

-6,9

23

Lixeiro público

6.86

-4,1

24

Funcionário público federal

6,40

0,9

25

Motorista de trem

6,13

-2,7

26

Aeromoça

6,02

-3,9

27

Arquiteto

5,99

0,6

28

Coordenador de trem

5,76

-2,5

29

Cozinheiro de escola

5,68

-3,3

30

Veterinário

5,63

-

31

Carregador portuário de carga

5,61

-

32

Analista de sistemas

5,54

-1,8

33

Despachante trabalhista e de seguro social

5,31

-

34

Avaliador de imóveis

5,27

-

35

Operador de aparelhos de raios X

5,25

-5,4

36

Farmacêutico

5,13

2,9

37

Químico

5,01

-6,1

38

Desenhista mecânico

4,98

3,0

49

Professor de escola vocacional

4,96

-6,6

40

Operador de guindaste

4,84

-1,4

41

Técnico de laboratório clínico

4,83

-4,6

42

Moldador de fundição

4,80

-0,1

43

Reparador de máquinas

4,75

-2,6

44

Operador de offset de gráfica

4,72

3,0

45

Eletricista

4,63

16,6

46

Operário de fábrica de semicondutores

4,56

-4,4

47

Enfermeira

4,56

-4,8

48

Montador de maquinário

4,44

5,6

49

Motorista de caminhão de grande porte

4,44

-0,5

50

Montador de automóveis

4,43

-23,5

Profissões populares mas fora da lista acima

No Profissão Renda Variação(%)

62

Programador de computador

4,01

-0,6

63

Operário de construção civil

4,01

12,6

68

Mecânico de carro

3,92

-1,3

70

Carpinteiro

3,82

4,8

77

Operador de computador

3,51

-8,8

78

Cozinheiro

3,47

-6,1

79

Digitadora

3,44

-0,4

80

Motorista de taxi

3,42

5,6

81

Nutricionista

3,42

-4,7

84

Vendedor de departament store

3,30

-15,0

87

Vendedor de loja (excluindo departament Store)

3,15

-12,7

92

Guarda de segurança particular

2,95

-9,7

94

Cabelereira

2,66

-12,9

96

Pescador

2,59

-

97

Limpador de prédio

2,22

-2,4

99

Agricultor

1,23

-

A tabela completa de 100 profissões assim como outras reportagens relacionadas podem ser encontradas na revista Diamond (em japonês) da edição de 13/Set/2008. Se você não encontrar na estante, encomende-a como pedido número atrasado na livraria ou compre online no link acima. Ou vá a biblioteca local.


Por Roberto Tongu.
Publicado em 20/Set/2008.